Mucuri: Ex-prefeito limpa os cofres e deixa Servidores a ver navios

Priorizando o pagamentos às empresas fornecedoras e prestadoras de serviços dos seus apadrinhados, o ex-prefeito de Mucuri emite cheques no apagar das luzes, dia 31/12, e rapa mais de 3 milhões de reais das contas da prefeitura que deveriam ser destinados à folha de pagamento.

 

No 31/12/2016, findou-se o mandato de prefeito do sr. Paulo Alexandre Matos Griffo do município de Mucuri.

paulinho-canetada

O que já estava ruim, ficou tenebroso quando os servidores públicos perceberam que os seus vencimentos não estavam depositados em suas contas como deveria, pois havia dinheiro suficiente para tal.

Porém, para sacramentar sua alcunha de “Malvadinho de Tixa”, o ex-prefeito, como sempre, insensível às causas dos servidores, amante do dito popular “farinha pouca, meu pirão primeiro”, ao receber, no último dia 30, o repasse do Fundo de Participação dos Municípios, tratou de “fazer a limpa”, “passar a régua”. Os beneficiários foram,  as empresas do Calçamento, de Transportes entre outras que levaram mais de 3 milhões de reais no último dia do ano.
O Prefeito recém empossado, Carlos Simões, na solenidade de posse, recebeu, simbolicamente, as chaves do município das mãos de um servidor que estava representando o ex-prefeito que não compareceu ao ato de posse.

Porém, todavia, no dia de hoje, ao tentar acessar as salas e os departamentos da Prefeitura Municipal de Mucuri, o que se encontrou foram salas e gabinetes de secretários fechados e sem chaves para abri-las, fazendo-se necessário a utilização dos serviços de profissionais chaveiros para acessar os ambientes que guardavam documentos importantes que, oportunamente, serão verificados possíveis extravios criminosos.

Como se não bastasse, alguns computadores de algumas secretarias foram encontrados formatados, ou seja, sem nenhum arquivo de documentos oficiais disponíveis. Todos os arquivos foram apagados.

Não há que se contestar que tal ato é considerado criminoso e, segundo a administração atual, serão investigados e denunciados ao Ministério Público para que tomem as medidas cabíveis nos rigores da lei.

Segundo informações, o prefeito Dr. Carlos deu ordens expressas para que suas  equipes administrativa e financeira façam o levantamento da folha de pagamento e dos recursos que por ventura encontrarem em outras contas da municipalidade e dê prioridade aos salários dos servidores, na medida em que isso for tecnicamente possível.
Segundo o prefeito Carlos Simões, a injustiça não faz parte do seu perfil como médico, homem natural, cristão e político. “Não descansarei enquanto não ver nos olhos de cada mucuriense, o brilho de felicidade, seja ela criança, adolescente, mulher, homem, jovem, idoso, independente de raça ou credo religioso. Fui eleito com 12.137 votos, mas, a campanha passou e meu compromisso agora é governar para 42 mil habitantes desta terra que amo e escolhi para viver juntamente com a minha família, declarou o prefeito.

Por Rubem Gama

Comentários

Top