Zapgate: saiba tudo o que já foi publicado sobre o assunto


O Zapgate eclodiu com a publicação de uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo, divulgada em 18 de outubro de 2018.

Segundo o jornal, empresas e empresários pagaram por disparos em massa de mensagens com conteúdos anti-PT via WhatsApp. O objetivo era beneficiar o candidato ao Planalto do PSL, Jair Bolsonaro. O apoio financeiro de empresas a candidatos é proibido pela lei eleitoral.

De acordo com o jornal, estaria sendo preparada uma grande operação para a semana anterior ao 2º turno –a partir desta 2ª feira (22.out.2018). A eleição é no domingo (28.out.2018). O valor dos contratos chegaria a R$ 12 milhões. Entre as empresas envolvidas estaria a Havan. O dono da empresa, Luciano Hang, apoia publicamente Bolsonaro, já ameaçou demitir 15.000 pessoas caso a ‘esquerda’ vencesse o pleito deste ano, mas nega que tenha feito o uso do WhatsApp de maneira irregular para ajudar o candidato do PSL.

A partir daí, deram-se os seguinte desdobramentos:

5ª feira (18.out.2018)

Acusação contra Bolsonaro – jornal Folha de S.Paulo diz que empresas apoiadoras de Bolsonaro compraram 1 serviço chamado “disparo de massa”. O mecanismo utilizaria contatos de bases de dados vendidas por agências de estratégia digital.

Entre as agências que prestariam esse tipo de serviços estão a Quickmobile, a Yacows, Croc Services e SMS Market. Os valores variariam de R$ 0,08 a R$ 0,40 dependendo de onde vinha o contato.

A prática é proibida pela Justiça. O comportamento também viola as regras do WhatsApp. O envio de mensagens em massa com conteúdo eleitoral não é ilegal, desde que use a base de usuários dos próprios candidatos, ou seja, listas com nomes e telefones celulares de apoiadores que voluntariamente os cederam.

O outro lado – Jair Bolsonaro disse não ter controle sobre seus apoiadores“Eu não tenho controle se tem empresário simpático a mim fazendo isso. Eu sei que fere a legislação. Mas eu não tenho controle, não tenho como saber e tomar providência”, disse o militar.

No Twitter, Bolsonaro disse que “apoio voluntário é algo que o PT desconhece e não aceita” e que o partido não tem sido prejudicado por “fake news, mas pela verdade”.

© reprodução Twitter

Explicações pelo Facebook – durante uma live de 20 minutos nas redes sociais, o candidato afirmou que o jornal que fez a reportagem está “jogando no time” do candidato do PT, Fernando Haddad. O presidenciável declarou que sua candidatura não precisa utilizar de fake news para vencer Haddad. “Todos vocês se lembram dos 13 anos do PT. Caixa 2, corrupção generalizada, assalto a estatais, quebra de fundos de pensão, doação de dinheiro do BNDES para ditaduras de todo o Brasil, esse é o PT”, disse.

Assista à íntegra da transmissão:

PT aciona a Justiça Eleitoral e a Polícia Eleitoral para apurar caso – o candidato do PT ao Planalto, Fernando Haddad, diz que Bolsonaro precisará responder à Justiça sobre as acusações. “Ele que foge dos debates não vai poder fugir da Justiça”, afirmou Haddad em provocação a Bolsonaro, que não comparecerá aos debates no 2º turno.

Dono da Havan ameaça processar a Folha de S.Paulo – Luciano Hang nega que tenha pago por serviço na campanha de Jair Bolsonaro e diz que irá processar o jornal. Segundo o empresário, o veículo “montou uma fake news”.

PT pede inelegibilidade de Bolsonaro por 8 anos – os advogados da coligação “O Povo Feliz de Novo” –que reúne as legendas PT, PC do B e Pros– entram com pedido para o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) investigar se a campanha de Bolsonaro cometeu abuso de poder econômico e uso indevido dos veículos de comunicação.

Representados por Carolina Nascimento, Miguel Filipi Pimentel, Rachel Aragão, Eugênio Aragão, Gabriel Brandão e Marcelo Winch, os advogados da campanha de Haddad pedem que, terminadas as investigações, Bolsonaro fique inelegível por 8 anos.

6ª feira (19.out.2018)

Notificação judicial do WhatsApp – o aplicativo de mensagens envia notificação extrajudicial para 4 agências digitais envolvidas no caso do suposto impulsionamento de fake news patrocinado por empresários. São elas:

  • Quickmobile;
  •  Yacows;
  • Croc Services;
  • SMS Market.

O aplicativo afirma ainda que está tomando “medidas legais imediatas para impedir empresas de enviar mensagens em massa via WhatsApp”. A companhia disse que baniu contas associadas a estas empresas.

Haddad diz que ação influenciou escolhas para o Congresso – Haddad afirma que o financiamento por empresários para a emissão de notícias em massa pelo WhatsApp influenciou a eleição do novo Congresso.

WhatsApp de filho de Bolsonaro é bloqueado – o senador eleito pelo Rio de Janeiro Flávio Bolsonaro, filho do candidato Jair Bolsonaro, confirma o bloqueio de sua conta no aplicativo. Porém, segundo Flávio, a medida ocorreu antes do Zapgate.

© reprodução Twitter

Gleisi pede investigação de filho de Bolsonaro – a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, entra com 1 pedido na Procuradoria Geral da República para investigar Flávio Bolsonaro. Segundo a petista, as fake news induzem o eleitor a votar baseado em uma fábrica de mentiras.

Presidente do PSL nega caixa 2 em campanha – Gustavo Bebianno nega que a campanha da legenda tenha feito uso de caixa 2“Nem o PSL nem a campanha e muito menos o candidato Jair Bolsonaro se prestam a esse tipo de papel”, disse.

Para Bebiano, a acusação do PT à Polícia Federal e à Justiça Eleitoral é uma “piada”. “É risível os argumentos do senhor Haddad. É 1 sinal claro de desespero porque vai perder as eleições”, afirmou Bebianno.

PDT pede anulação de 1º turno – O PDT (Partido Democrático Trabalhista) protocola ação no TSE e pede a anulação do 1º turno da eleição presidencial, realizado no último dia 7 de outubro. A sigla alega abuso de poder econômico na campanha eleitoral.

TSE dá 5 dias para Bolsonaro se manifestar – o ministro Jorge Mussi Mussi abre investigação contra campanha do militar e dá prazo de 5 dias para que ele se manifeste sobre o caso.

Mussi indeferiu o pedido da coligação presidencial de Haddad para que sejam cumpridos mandados de busca e apreensão nas empresas que teriam financiado a disseminação de notícias falsas.

PGR pede apuração na disseminação das mensagens anti-PT – a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, requisitou à Polícia Federal a instauração de inquérito para apurar se empresas de tecnologia da informação realmente teriam disseminado notícias falsas. O pedido foi enviado ao ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. Leia a íntegra.

WhatsApp bane contas – aplicativo bane contas brasileiras que supostamente enviavam pacotes de mensagens consideradas spams. Em nota, a companhia afirmou que o aplicativo conta com tecnologia para detectar as mensagens com conteúdo publicitário que não foram requeridas pelo usuário.

Sábado (20.out.2018)

PF abre inquérito para investigar o Zapgate – em resposta à solicitação da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, a Polícia Federal abre inquérito para investigar os esquemas de disseminação de notícias falsas. A investigação tem prazo inicial de 30 dias.

PSL diz que irá à PGR pedir investigação de esquema –  presidente do PSL, Gustavo Bebianno diz que a sigla entrará na 2ª feira (22.out) com uma ação para que a PGR investigue o suposto esquema de disseminação de fake news financiado por empresários.

Domingo (21.out.2018)

TSE anuncia medidas para combater fake news – presidente do TSE, Rosa Weber diz que a Corte ainda não descobriu “o milagre” para combater fake news.

A chefe da Corte eleitoral também afirmou que a investigação contra a propagação de notícias falsas demanda tempo para que seja dada a “resposta responsável”. “A Justiça Eleitoral não combate boatos com boatos. Há 1 tempo para a resposta responsável”, disse.

Uma das medidas do Tribunal será o compartilhamento de vídeos explicativos sobre as eleições e sobre notícias falsas via WhatsApp.

TSE dá prosseguimento a ação do PDT contra Bolsonaro – O corregedor do TSE, ministro Jorge Mussi, dá prosseguimento a uma ação apresentada pelo PDT e pela Coligação Brasil Soberano (formada por PDT e Avante) contra Bolsonaro.

Fonte: MSN

sample-ad

Comentários

POST A COMMENT.