Corpo é encontrado em área de eucalipto, vítima pode ser de Eunápolis

O corpo do sexo masculino foi encontrado na tarde de segunda-feira, 7 de setembro, mas só foi removido para o Instituto Médico Legal de Teixeira de Freitas, na manhã desta terça-feira, 8.

A vítima, que trajava camisa listrada de várias cores e uma bermuda vermelha, estava em uma área de eucalipto desmatado, próximo ao povoado de Bela Vista, às margens da BR 101.

De acordo com o perito criminal, Bruno Melo, da 8ª Coordenadoria Regional de Polícia Técnica, o corpo apresentava duas perfurações nas costas, provavelmente provocadas por disparos de arma de fogo, e um afundamento no crânio, que será analisado durante exame de necropsia.

20150908095435

A localização do corpo foi informada para a Polícia por um grupo de pessoas que se apresentaram como parente da vítima. Segundo eles, o corpo seria de Ramonclei Santos de Jesus, de 32 anos, que mora em Eunápolis.

Apesar de não ter formalizado o reconhecimento, e do corpo já está em avançado estágio de decomposição, com rosto e parte do corpo desfigurado, o pai de Romanclei e as irmãs garantem ser ele a vítima. Segundo a família, as roupas são de Ramonclei, e uma cicatriz em uma das pernas também seria sinal de que se trata realmente do rapaz.

Ainda segundo o pai dele, Ramoclei teria saído de casa por voltadas 19 horas de terça-feira, 1º de setembro, fez o último contato na madrugada de quarta-feira, e foi visto neste mesmo dia no povoado de Bela Vista.

Ele teria saído de casa para se encontrar como o mecânico, Charles Júnior, Charles Bispo Santos Junior, 18 anos, morador do bairro Pequi, em Eunápolis, preso na madrugada de quarta-feira, 2 de setembro, na BR 418 em Posto da Mata, depois de participar de um roubo de carro.

Para a Polícia, Charles contou que teria saído de Eunápolis com mais dois comparsas para realizar roubos na região.

Apesar da alegação da família de o corpo ser realmente de Ramonclei, a perícia acredita que o homem encontrado nesta segunda-feira, esteja morto há mais de cinco dias, por conta do avançado estágio de decomposição, mas o exame de necropsia vai precisar o tempo da morte e só então, haverá a confirmação da identidade do corpo. Um inquérito foi instaurado para investigar o caso.

Fonte: Sulbahianews

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *