Itabuna: Professores acampam em prefeitura em protesto por salários

Secretarias municipais estão sem funcionar nesta quarta, diz secretário.
Sindicato da categoria informa que greve será mantida até um acordo.

 

Os professores da rede municipal de ensino de Itabuna, na região sul da Bahia, estão acampados dentro do prédio da prefeitura do município há mais de 24h, na manhã desta quarta-feira (3). Acategoria está em greve desde o dia 21 de maio, que foi marcado com passeata pela cidade. Segundo Maria do Carmo, presidente Sindicato do Magistério Municipal Público, o ato ocorre em protesto pela pauta principal de reajustes salariais. Por conta do ato no órgão municipal, os serviços em algumas secretarias foram interrompidos, de acordo com a Secretaria de Comunição (Secom) de Itabuna.

Além de reivindicarem a linearidade de 13,01% de reajuste para toda o segmento da categoria, os professores também querem a atualização dos pagamentos do FTGS, melhores condições de trabalho, reforma nas escolas e regularização do vale-transporte. Uma reunião foi realizada na terça-feira (2) entre categoria e a prefeitura, mas não houve acordo entre as partes, segundo o sindicato. A prefeitura fez uma proposta de 8% de reajuste dividido em duas parcelas: 5% em abril, retroativo a abril, e 3% em novembro, que não foi aceita pela categoria.

“Eles [prefeitura] não querem conceder a linearidade dos 13, 01%. Eles querem dar abaixo, 8% parcelado em duas vezes. Nós não vamos aceitar e vamos continuar aqui, dentro da prefeitura. Hoje não teve expediente em nenhuma secretaria de Itabuna. Paralisamos tudo aqui. Vamos continuar até que eles venham negociar”, informou Maria Do Carmo ao G1.

Conforme Gilvan Rodrigues, secretário de comunicação do município, nenhuma negociação foi fechada. “Ouvimos eles ontem [terça-feira], mas o valor que propomos de 8% é a capacidade que o município tem para pagar neste momento. Só vamos reabrir negociação depois que eles desocuparem o prédio. Eles já foram avisados sobre isso”, afirmou o secretário.

As secretarias de Educação; Finanças; Setor de Tributos; Secom; Agricultura; Indústria, Comércio e Turismo; Controladoria e gabinete do prefeito tiveram o funcionamento dos serviços afetado pelo protesto.

Início da greve
Os professores da rede municipal de ensino de Itabuna iniciaram a greve no dia 21 de maio, com passeata de cerca de 200 professores. A catergoria já havia paralisado as atividades, em estado de greve, no dia 5 do mesmo mês.

Por meio de nota, a Prefeitura Municipal de Itabuna havia afirmado que a proposta de reajuste de 8% aos professores, após as sete rodadas de negociações estava mantida. Antes de chegar aos 8%, com a primeira parcela de 5% retroativa a abril, e a segunda de 3% a ser paga em novembro, já havia sinalizado 7% de reajuste, também dividido em duas parcelas.

A prefeitura reafirmou que não há condição de aumento no percentual para os 13,01% pedidos pelos professores. E que, quando a Lei do Piso foi criada pelo Governo Federal, no Brasil, especialmente no Nordeste, haviam professores que recebiam salários entre R$ 100 e R$ 200 mensais. Então, o que se buscou foi corrigir isto, para que nenhum professor no País recebesse menos que o piso atual de R$ 1.917, informa o órgão.

Manifestação
Durante a manhã de terça-feira (5), cerca de 800 professores fizeram manifestação em frente à prefeitura da cidade, quando serviram café da manhã para outros professores, alunos e pais. Segundo dados do sindicato, são cerca de 1.333 profissionais em atividade na rede municipal de ensino do município em 100 escolas, entre zonas rural e urbana.

Fonte: G1-Bahia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *