JORGINHO

Hoje muitas pessoas me ligaram perguntando se eu não ia fazer uma matéria sobre a morte de Jorginho. E Eu simplesmente disse que não ia fazer.

Eu não poderia fazer fazer uma matéria sobre a morte de Jorginho porque sou amigo de toda a família de Jorginho que reside em Itabatan.

Mas não fiz a matéria apenas porque sou amigo da família dele.

Não fiz para chamar a atenção de nossa população a respeito desse problema em nosso município.

Conheci Rosa e através de Rosa conheci Bira e através dos dois conheci todos os familiares que vieram morar aqui na Bahia. (Eles são mineiros).

Quando o conheci, fiquei logo amigo dele, assim como já havia ficado amigo dos outros parentes de Bira. Um garoto alegre, inteligente, envolvido com os trabalhos da Igreja (Característica  de toda a família).

Lembro-me que ele me ajudou muito nas eleições de 2008, quando fui candidato a vereador.

Ai de repente me deparo com essa notícia estúpida. O que aconteceu? O que levou a morte de Jorginho? Isso pouco importa. A verdade é que de uma forma ou de outra Jorginho é mais uma vítima da violência que se torna  cada dia mais corriqueira em nossas vidas.

Não consigo imaginar a dor da família. Porque para a sociedade, para a Polícia e para a mídia Jorginho de agora em diante é apenas um número. Mas para a família Jorginho será sempre Jorginho, um filho, irmão, tio, cunhado que será lembrado para sempre e jamais esquecido.

Para a sociedade, para a Polícia e para a mídia Jorginho será apenas um número dessa violência que nos sufoca, nos prende dentro de casa e está levando todos os nossos jovens.

O governo brasileiro está próximo de aprovar uma reforma previdenciária com a desculpa de que muito em breve nosso país será um país com mais velhos do que jovens. E diz que a culpa é da expectativa de vida do brasileiro que aumentou e nós engolimos isso. Mas ninguém fala que a culpa é da violência que a cada dia leva nossos jovens mais cedo e em um numero cada vez maior.

A morte de Jorginho me leva a refletir e eu não consigo chegar a uma conclusão do que possa acontecer de bom para os nossos jovens nos anos vindouros.

E como eu posso vislumbrar um futuro melhor para os nossos jovens com: Educação, Saúde, Capacitação Profissional, Religiosidade  jogados as traças?

Carnaval, Violência, Corrupção, Farra com dinheiro público, tudo em alta. E tudo isso a nível municipal, estadual e federal?

Há muitas especulações sobre  a motivação que levaram a morte de Jorginho. Mas o que isso importa? Isso resolveria o problema? Isso o traria de volta?

Saber as motivações da morte de Jorginho só alimenta a curiosidade dos que admiram e se alegram com a miséria alheia.

Quem será o próximo Jorginho? Qual será a próxima família a chorar a perda de um ente querido ainda na flor da idade? Esperamos em Deus que não haja a próxima família.

Duro é sentir essa dor na pele. Até a família de Assassinos, Assaltantes,  e de outros bandidos covardes sentem dor quando perdem os seus. E Jorginho não era nada disso. Jorginho não era ladrão, não era assassino, não era assaltante.

Que Deus na sua infinita misericórdia o receba na sua infinita glória.

Que Deus possa confortar o coração de D. Deldi e todos os seus familiares neste momento difícil.

As redes sociais não me deixam mentir e justificam a minha matéria. Jorginho era um rapaz de muitas amizades, de sorriso fácil e querido por amigos e familiares. E todos estão orando por Jorginho e por todos os nossos jovens que graças ao bom Deus ainda estão entre nós.

QUE DEUS NOS PROTEJA E PROTEJA AOS NOSSOS JOVENS.

Por: CARLITO TEIXEIRA.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *