Reforma política vai correr contra o tempo

Há duas certezas sobre a forma da campanha eleitoral de 2018:

1 – O modelo de financiamento adotado no ano passado foi um fiasco. Se não pode financiamento privado, vai ser público, nas eleições proporcionais, para deputado, só há uma solução: o voto em lista fechada.

2 – 45 dias é muito pouco para uma campanha. Como um candidato à presidência da República vai correr o Brasil inteiro nesse período? E um estado como a Bahia?

As ponderações aí são feitas pelo deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB), presidente da Comissão da Reforma Política, que sumiu com as turbulências na Câmara e agora vai ter que correr contra o tempo para tentar buscar saídas.

Lúcio diz que tudo tem que estar pronto até maio, para dar tempo de ir ao Senado e ser sancionada até outubro para valer em 2018.

– Não há consenso sobre nada. Se é assim, vamos buscar a maioria, focando no sistema político e o modelo de financiamento.

Pré-campanha — Em 2016, a pré-campanha foi assim: todo mundo podia gastar, se mover, só não podia pedir dinheiro e muito menos voto. Não deu. A reforma vai atacar esse ponto. Hoje, a comissão fará uma reunião. A ideia é começar ouvindo ex-presidentes, como Lula e FHC.

Seminário — A Câmara está articulando a realização, ainda este mês, de um grande seminário internacional para conhecer, de perto, os sistemas políticos de outros países. Segundo Lúcio, a ideia é que cada um diga como funcionam os seus sistemas e quais os problemas que eles geraram.

– A partir daí vamos adaptar à realidade brasileira. A ideia é fazermos uma reforma aos poucos, a longo prazo, criando regras de transição, até fecharmos o que se quer.

Se houver denúncia, o ministro que estiver denunciado será afastad

Temer, dizendo que não terá tolerância com quem for denunciado pela Lava Jato

O Brasil nunca saiu da Idade Média em termos de prisão. Até hoje ninguém cumpre o Código do Império (…) Somos uma sociedade de bárbaros

Luís Carlos Valois, o juiz que intermediou as negociações no motim no presídio de Manaus

Folia seca

Depois de enfrentar o Ministério Público, que recomendou a não realização do Carnaval ante a crise (de água) que Itabuna passa, o prefeito Fernando Gomes realizou a folia, mas impôs a sua marca.

Havia anunciado que a festa só iria até duas da manhã. E no primeiro dia, em pessoa, ele pegou o microfone às duas da manhã e soltou o verbo:

– Agora vamos parar porque daqui pra frente só dá o que não presta. Só dá cachaça.

E mandou desligar tudo. O povo aceitou.

Piada pronta

A Agência Nacional de Petróleo e Gás (ANP) divulgou ontem levantamento segundo o qual o preço da gasolina caiu R$ 0,01. Isso mesmo, um centavo. E é o mais baixo em oito semanas. É piada pronta, não?

Herancinha maldita

Joaquim Neto (DEM), prefeito de Alagoinhas, sofreu ontem o terceiro bloqueio de dinheiro em pouco mais de um mês. Desta vez, R$ 950 mil ficaram retidos, que, somados aos outros dois, dá R$ 3,179 milhões. O problema ocorre porque o antecessor dele, Paulo César, não pagou o FGTS de dezembro. Joaquim diz que com esse dinheiro calçaria 15 ruas em bairros populares como o Petrolão.

Se ele herdou os US$ 11,5 milhões que Paulo César tomou no Carf e não tem como gastar (o dinheiro só será liberado agora), também leva suas herancinhas malditas.

POUCAS & BOAS

* Moradores de um condomínio de luxo em Jaguaribe, orla de Salvador, garantem ter visto Lula por volta das 15h de sexta última. Petistas negam, mas eles juram de dedo cruzado que sim. Dizem que Lula estava com alguns seguranças e tentou esconder o rosto.

* Paulo Afonso e Sobradinho vão ter suas receitas de ICMS incrementadas com a aprovação do Projeto de Lei Complementar 163/15 pelo Senado semana passada. A nova lei altera a forma de cálculo do coeficiente de participação dos municípios produtores de energia no rateio do ICMS. O relator foi o baiano José Carlos Aleluia. O projeto aguarda sanção de Temer.

* O Sindicombustíveis-BA realiza sexta no Grande Hotel de Juazeiro o X Ciclo de Encontros Regionais de Revendedores de Combustíveis da Bahia, promovido pelo Sindicombustíveis. O evento será em parceria com o Sindicombustíveis Pernambuco. A expectativa é reunir cerca de 200 empresários. Estarão lá representantes da ANP, Sefaz e Ibametro.

Colaborou: Hilcélia Falcão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *